Produtor deve olhar para o mercado pela perspectiva da dinâmica de formação de preço


“A tendência é que o preço do arroz volte a subir”, disse Élcio Bento, consultor de Mercado da Safras e Mercado ao desenvolver o tema “Perspectivas de Mercado para a Temporada 2022/2023, durante a quarta palestra da programação da 32ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas. A moderação ficou por conta de José Mathias Bins Martins, presidente da Cooperativa Arrozeira Palmares. Martins ressaltou que todos estavam aflitos para entender o que pode ocorrer na próxima safra, pois em 2020 o preço do arroz chegou a R$ 120,00. “Mas, de lá pra cá, só caiu, e em algumas praças chegou a R$ 58,00”, disse.

Élcio Bento falou sobre a necessidade do produtor olhar para o mercado pela perspectiva da dinâmica de formação de preço, mas de uma forma racional. “No Brasil, o preço internacional, o câmbio e o abastecimento interno interferem na formação de preço”, disse. Segundo o consultor, estamos em um momento de distorção. “Sempre que isto ocorre, a safra seguinte apresenta uma retomada dos preços de acordo com a sazonalidade, ou seja, conforme se viu nos últimos 27 anos, a menor cotação ocorre em março e os maiores preços em janeiro”, observou.

Bento ainda alertou que não falta arroz no mundo e que há 16 países superavitários no grão, entre eles o Brasil, contra 87 deficitários. “A China estava entre os superavitários até a temporada anterior e hoje se encontra entre os deficitários, e o maior fornecedor global de arroz é a Índia”,afirmou.

Já sobre o maior concorrente do país, os Estados Unidos, Bento ressaltou que o cenário atual indica que falta arroz naquele país. Além disso, o superávit da América do Norte não é suficiente para abastecer a América Central e o Caribe. E concluiu dizendo que o arroz brasileiro pode estar subvalorizado quando se olha para o mercado internacional, mas que por conta da sazonalidade, o preço pode voltar para R$ 78,00 a saca, após uma queda para R$ 60,00 a saca.

A 32ª edição da Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas segue até amanhã, sexta-feira, na Estação Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), em formato híbrido com atividades presenciais e on-line. A organização é da Federarroz com correalização da Embrapa e patrocínio Premium do Irga e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Foto: Carlos Queiroz/Divulgação
Texto: Ieda Risco/AgroEffective

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.